sábado, 31 de janeiro de 2015

O falatório pessoal




 O FALATÓRIO PESSOAL
 Para ter mais tranquilidade em sua vida,  aquieta o falatório desordenado de boca e mente.
 Expresse-se com serenidade e paz, sem pressa e ansiedade.
 Reflita sempre naquilo que se propõe a dizer.
 
Quem fala muito, costuma escutar bem pouco, e quem escuta pouco, costuma falar muito.
Quem só fala e não escuta, perde a noção do real e passa a viver no mundo dos próprios pensamentos.
Já parou para pensar que o outro pode não estar interessado em seu discurso aleatório?
Muitos ouvem apenas por educação, outros já se imaginam bem longe do falador.
Para que ficar jogando conversa fora falando amenidades de forma impensada?
Não há qualquer ganho prático e pessoal na falação desmedida.
As palavras têm poder criador, elas geram energia quando proferidas.
Por isso, não perca sua vitalidade falando mais do que deveria.
Que prazer pode existir na fala descontínua e irrefletida?
Falar sem pensar é apenas soltar palavras ao vento, que se perdem e se esvaem em sua própria ausência de significado.
Exprimir-se sem ponderação é aderir ao impulso das emoções, que afetam nossa reflexão e tornam nossas ideias supérfluas e pueris.
Quem fala muito, costuma falar muito de si mesmo.
Comenta suas preferências, seus gostos, sua forma de ser e agir: tudo gira ao seu redor.
O frívolo prazer de expressar seus pensamentos na mesma hora que eles vêm,
Sem pensar, sem dosar, sem entender o sentido e a profundidade do que se diz, é notadamente um gradual aniquilamento da substância profunda de nossa vida.
Já tentou perceber se o outro está interessado em tua tagarelice?
Na maioria das vezes, quem fala muito não recebe a atenção do outro  e muitas vezes nem se importa com isso.
Para o falador compulsivo, o importante é atirar palavras ao vento, mesmo que o tema não interesse aos demais.
Fala menos, reflete mais; siga tua vida com mais reflexão e com menos vozearia.
Quem fala muito, medita pouco na essência do próprio pensamento.
Não permita que sua essência seja capturada pelo discurso vazio que é proferido por ti.
Autor: Hugo Lapa – Grupo Reiki