sábado, 4 de fevereiro de 2017

A rosa não é uma rosa se não tiver espinhos.



Faz parte da sua natureza ter espinhos, exibir sua beleza e exalar um perfume inigualável. Ela é perfeita com sua completude, o mix de beleza e espinhos. Assim é o ser humano. Perfeito, apesar dos milhares de espinhos criados por uma entidade imaginária que chamamos de mente. Entenda, sem os espinhos a rosa não seria uma rosa, então ela aceita isso em sua natureza e brilha belamente encantando aqueles que tem olhos para ver sua exuberância. Você também é assim, mas está tão perdido nas histórias inventadas por sua mente que não consegue enxergar a própria perfeição e acha que não brilha e exala o perfume da existência através de ti. Na verdade não há diferenças entre você e a rosa, exceto que você acredita ser separado da existência, enquanto a rosa não preocupa com isso, apenas é bela e exala seu perfume, sem se preocupar se é uma rosa ou não, se tem mais espinhos ou menos que outra rosa. 

A rosa é a pura expressão da divina consciência que é tudo que há. Você também o é, mas não sabe. Deixe todos seus apegos, duvide das historinhas mentais e aceite o que já é. Pare de contar seus espinhos e reconheça que a existência dança através de você, e você e a existência são o mesmo, não há separação. Quando reconhece sua real natureza, que você é muito mais do que uma personagem criada e que fizeram você acreditar vai resplandecer a leveza, a beleza, e o perfume do Ser através de ti. Aí você reconhecerá que não há nenhuma diferença entre ti e a rosa, e quando a existência fizer seu papel de jardineiro e fazer algumas podas em ti, já sabes que é para crescer mais forte e exuberante. 

Há um completo desapego, uma entrega profunda. E o maior mito é que somente alguns poucos, poetas, loucos, iluminados podem conseguir se verem como rosas. Na verdade está bem acessível, aí, mais próximo que a batida do seu coração. É apenas uma questão de reconhecer quem você realmente é. Tudo que pode ser observado não pode ser você. Então você é isso que observa tudo que vem e vai. Consciência, Presença, ou simplesmente Deus, são formas de se nomear o inominável. E tudo aquilo que aparece, aparece dentro do que você é. 

Reconheça que você é uma rosa nesse imenso jardim sagrado da consciência, e permita-se aflorar, permita-se ter espinhos, permita-se sentir o seu perfume e reconhecer sua beleza. Simples assim, sem maiores dramas ou complicações. Seja simples como a rosa, e aproveite a possibilidade única que temos de sermos uma rosa que é o jardim inteiro. Deleite-se!